Galeria

 

1 - Quando o circo chegar e Poesia

Quando o Circo Chegar

no picadeiro o palhaço ferido
trás em seu peito um coração partido
no picadeiro o palhaço valente
arranca essa dor do coração da gente

no picadeiro
o palhaço não chora – não sente dor
no picadeiro
a moça acredita no grande amor
no picadeiro
você aceita os sonhos de alguém
no picadeiro
do mal hoje vence o bem

no picadeiro
a morte não te leva pela mão
no picadeiro
seus pés não precisam tocar no chão
no picadeiro
pipoca – algodão doce e cartola
no picadeiro
a criança e o seu balão no picadeiro
sorrisos – nele tudo é permitido
no picadeiro
hoje venceu a imaginação


2 - Aneis de Saturno (1 de 1)

Anéis de Saturno

me avise quando você chegar em marte
veja o por do sol e me conte
me diga se há flores nas margens da via láctea
nebulosas supernovas mil cometas

me diga se lá tem arco Iris para ver
um escorregador um brinquedo
me diga como é viver sem a gravidade
sem sorvete sem coragem

me escreva e amarre na cauda de um cometa
que voando te encontro na velocidade da luz
no teu corpo uma vez eu vi a luz das estrelas
e uma certa tristeza que um dia a infância deixou

com as cores já não se constrói de brinquedo um escorregador
e os artistas roubam das estrelas as cores mais bonitas
da saudade a dor é maior
gravidade não tem mais valor
e me perco num espaço de dimensões infinitas

as estrelas são flores nos jardins do infinito
que se espalham sobre um corpo negro em pontos de luz
saturno se enfeita de anéis é tão bonito
que desperta a inveja dos deuses dos outros planetas

e quando no introspectivo espaço infinito
eu te acordo você se assusta e adormece outra vez


 

IMG_9878

História de Pescador

vai pelo ar mas vem buscar meu coração
vem me salvar rancar do peito a solidão
vem me tirar da escravidão dessa mentira
história pra boi dormir

vai pelo céu roube das estrelas o azul
desenhe lá o signo do nosso amor
conte as histórias do amor de uma menina
criança em nós

quando eu gritar
que o espaço então seja minha voz
a te defender
no embate com o gigante feroz
dura feito pedra
afiada feito faca que mata
golpe de navalha
ou espada de pirata no mar.

eu vou girar
com o corpo nu num céu de azulvocê vai dançar
como fosse colher o luar
eu vou sorrir
quando escutar a sua voz
a me dizer
que ninguém é senhor de nós

vamos dançar mas como quando era brincadeira
bobeira de graça criança de nada

girando juntos como o peão de um menino
que gira despertando graça em nós


 

4 - Reza de Rua (1 de 1)

Reza de Rua

          É pra lutar, se cair levanta mulher, segue em frente rapaz para mudar. É hoje não vai ter pão nem leite meu bem vamos ter que rezar outra vez. Mulher, sei que o trabalho machuca fere o corpo faz chaga o amor não alimentará.

          De casa em casa, na luta verdadeira carregando a nossa bandeira. Driblando a vida no dia-dia com arte tendo o povo de porta estandarte.  Na avenida mesmo sem carnaval construindo um dia de sol.


5 - Nosso Cais

Nosso Cais

não é mais dor nem medo
solidão talvez
não tem nada no peito
coração não bate mais
e seu corpo hoje é um cais

vazio

que espera

tua vela

aportar

mas só vem bater no cais a onda
e o cais é tão menor que o mar

vai caravela se afasta daqui
que essa terra hoje tem gosto seco
e o amor talvez seja pouco para remar

se a tempestade nos afogar
o mar me trará os seus pedaços
se chocando contra o porto
nosso cais


IMG_9967

Boca de Cada Um

era tão fácil ser feliz
que nem dava pra acreditar
os cabelos sempre bonitos
os cílios maiores do mundo

talvez na garganta um soluço
que não podia nos machucar
que não podia nos corromper
que nos fazia crer

que havia coração
e não importava a cor
com os pés no chão eu sentia a terra
esticava a mão e colhia o sol
e a mentira era como se fosse um sonho
um sonho mau

a maldição da mentira
assolou a minha nação
se escondeu entre os dentes podres
daqueles que não tinha pai

a velha senhora matou o seu filho
e fez de pele um vestido
fez do morto um casaco lindo
fez um jantar para dois

que comiam corações
e o preto era pior
nossa terra agora não dá mais pão
o sol machuca a ponta das mãos
e a mentira mora agora na boca
boca de cada um


 

7 - Samba da Flor

Samba da Flor

mais uma vez passei em frente ao florista
que sempre nos dava bom dia
e ele perguntou por você
eu vacilei
disfarçando o ódio engasguei
e comprei a pequena flor que sempre comprava pra te dar

mais uma vez ou chorar
vou calar vou sofrer
vou fazer com que o sono do dia
entorpeça o que eu quero esquecer
o coração se vendeu por um agrado qualquer
apagou o meu sonho cristão e matou minha porção mulher

é foi você que cansou de sonhar
num descompasso
me fez pouco
um pedaço
é foi você que cansou de ser dois
quis ser feliz a sós

mais uma vez vou cantar fingindo amar
vou forjar um sorriso nos lábios
vou fingir um abraço cristão
vou caminhar esperando encontrar solidão
comprarei a pequena flor
mas não para encontrar suas mãos

E ao te ver partindo
rancarei cada pétala sorrindo
matei aquele talo de dor
e por todo o amor


 

Boa 6

Aos Filhos de Judas

já não vai mais
esperar em frente ao portão
por alguém que insiste em chegar
assoviando a mesma canção

e a manhã terá
uma manhã escura sem sol
não haverá festa ou carnaval
nem os acordes de um violão

e o que fazer
quando não há mais por que sonhar
e o sol é uma estrela qualquer suspensa no ar?

e o amor
um sentimento quase infantil
ou a sobra pequena qualquer
de um sentimento ausente doente incapaz?

me faz um favor?
acende a vela e vela pela luz do sol

na noite eu calei
vendi meu coração por ninguém
dormi com o corpo nú de você
senti-me um tanto leve porém

não há que fazer
juras de amor eterno ao luar
pois o amor não pode voltar
o amor não é mais canção

se transformou
cresceu virou adulto sofreu
e hoje vive bem longe daqui
é uma amigo distante assim como deus

que por onde for
carrega o fardo que furtou seu grande amor
e por onde andei
foi no inferno que encontrei a paz – fui rei
não faça por mim
porque na certa venderia a ti também


 

Boa 4

Sangue e Cachaça

“a onda bate na praia
espraia e volta pro mar
é como moça bonita
que morre sem se casar”

de sangue e cachaça
foi feita uma promessa
que então um dia
com o rei se casaria

junto com o tempo
aumentava o meu lamento
que por jesus
preferia estar na cruz

tempo passou
e o amor
do inquisidor
fez favor
de modo covarde
me cobrar sua parte
mas preferia a morte

o dia chegou
ai de mim
barco passou
foi assim
que me lancei
com força nessas ondas
em vestido de noiva

eu me casei com água do mar


10 - Palavra

Palavra

a palavra escrita é mais bonita
escreva mil sonetos num lençol
carregue de rancor cada palavra
não deixe que percebam suas lágrimas

os vivos se somam aos vivos
mas a dor é individual
a cor dos olhos aqui importa
mas somos só
soro
suor
lágrima e sal

eu falei
a palavra escrita é mais bonita
que a mentira estampada no jornal
eu vendi os sonhos do garoto mais menino
por um copo d’água
um cigarro e um pão

não creie que o sentimento é puro
que de puro não há mais do que um quinhão
é a nesga que resta no canto do prato sujo
é a sobra do jantar da refeição

morri quando trai sua confiança
ao comprar por algum troco seu amor
paguei barato por pechinchar cada pedaço
braço
cabelos
boca
sapatos
dedos das mãos

eu falei
a palavra escrita é mais bonita
que a mentira estampada no jornal
eu vendi os sonhos do garoto mais menino
por um copo d’água
um cigarro e um pão

eu matei
pelos cabelos da menina mais bonita
e construi de seus pelos um pincel
com o qual pintei o meu sorriso derradeiro
fiz das lágrimas solvente universal


só por hoje vou fazer
tudo como quem faz
pela primeira vez

hoje não vou me assustar
ao ver a bailarina voar
se o galo ao meio dia cantar
se um estranho na rua sorrir

só por hoje vou esquecer
a dor que o amor
um dia me fez sofrer

hoje vou acreditar
em gigantes em fadas e heróis
em cavalos alados e em nós
no poder e na força da paz

só por hoje
só por hoje

só por hoje
vou tentar
prosseguir

e ser feliz então
faz isso não
não faz assim

diga que sim
que vem morar
em meu coração

só por hoje vou escrever
a canção sobre algo
que acabou de nascer

hoje vou me permitir
acordar e sorrindo sonhar
que posso ser mais forte que o mar
que posso ser mais belo que sol

só por hoje
só por hoje

só por hoje
vou tentar
olhar pro céu

e crer em deus talvez
que amanhã não sei
qual de nós
que vai dizer
adeus


12 - Escravo de Ninguém

Escravo de Ninguém

ontem foi como há muito não era mais
ontem fez uma onda de calor
ontem não me humilhei entre seus pés
ontem fiz mil amigos e um amor

que pousou
no pé
da fruta que eu tinha em casa

que era a fruta que alimentava
menina que vinha de terra santa

mas ela não vai chegar
hoje vai ficar em casa
ela não quer brincar
hoje vai curar a minha dor
tanto amor
pode ser
que não machuque não

menina tem um jeito de criança
menina tem um olhar de feitora
menina um vestido branco e preto
menina tenho medo desse mundo

ontem foi como há muito não era mais
ontem fez uma onda de calor
ontem não me humilhei entre seus pés
ontem fiz mil amigos e um amor

que pousou
no meu
pé de jabuticaba

que era a fruta que da semente
nasciam os olhos de nossa gente

e quando a manhã chegar
a dor vai ficar de fora
o gosto do café
vai morar em nossa boca
então coração
diz que sim
prepara o nosso pão

menina tem um jeito de criança
menina tem um olhar de feitora
menina um vestido branco e preto
menina tenho medo desse mundo

ontem foi como a muito não era mais
tanta paz ela trouxe em suas mão
ontem eu não temi fui mais além
ontem não fui escravo de ninguém

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s